As dietas que cortam muitas calorias são as mais atraentes

As dietas que cortam muitas calorias são atraentes para aqueles que desejam perder peso rapidamente. Entretanto, além de causar efeitos adversos para a saúde, como a disfunção do metabolismo, o enfraquecimento do sistema imunológico e aumentar as chances de desidratação e arritmia, um novo estudo mostrou que elas também podem prejudicar a saúde do coração.A pesquisa, apresentada no congresso da Sociedade de Ressonância Magnética Cardiovascular, em Barcelona, na Espanha, na sexta-feira (2), examinou especificamente os efeitos desses tipos de dietas no coração e descobriu que ela aumenta provisoriamente os níveis de gordura cardíaca, assim como causa disfunções na capacidade do coração de bombear sangue.

As dietas com alta restrição calórica se tornaram cada vez mais moda nos últimos anos“, disse Jennifer Rayner, pesquisadora da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e a principal autora do estudo.

Elas têm um teor muito baixo em calorias, que vai de 600 a 800 por dia, e podem ser eficazes para perder peso, reduzir a pressão arterial e reverter o diabetes“, contou Jennifer. “Mas os efeitos no coração não foram estudados até agora“. Então, a pesquisadora e sua equipe usaram a ressonância magnética para examinar o impacto dessas dietas na distribuição de gordura e no bom funcionamento do coração.

Efeitos são passageiros, mas perigosos para quem tem alguma condição cardíaca

Para o estudo, os pesquisadores recrutaram 21 participantes que eram obesos e com cerca de 52 anos. Durante oito semanas os voluntários seguiram uma dieta de 600 a 800 calorias por dia. Jennifer e a equipe realizaram exames de ressonância nos pacientes no início do estudo, uma semana depois e no final do experimento. Após apenas uma semana, os níveis de gordura corporal diminuíram em média 6 pontos percentuais; a gordura visceral caiu 11%; e a gordura do fígado diminuiu 42%. A dieta ainda revelou alguns benefícios importantes para a saúde como uma melhor resistência à insulina e níveis mais saudáveis de colesterol total, açúcar no sangue e pressão arterial. 

Entretanto, surpreendentemente, os níveis de gordura cardíaca aumentaram 44%. Segundo os autores, essa mudança teve relação com disfunções na capacidade do coração de bombear sangue. Na oitava semana, no entanto, esse número voltou ao normal, assim como a função cardíaca. A explicação é simples: a queda súbita de calorias faz com que a gordura seja liberada de diferentes partes do corpo para o sangue e seja absorvida pelo músculo cardíaco. Ao ser inundado pela gordura, esse músculo piora sua função. Mas após o período em que o corpo está se ajustando à restrição de calorias, o conteúdo e função da gordura do coração melhorou.

Com base nessa descoberta, a pesquisadora adverte que pessoas com uma condição cardíaca precisam tomar cuidado extra antes de iniciar uma dieta do tipo. “Se você tem problemas cardíacos“, diz ela, “precisa verificar com seu médico antes de embarcar em uma dieta muito baixa em calorias ou no jejum.